quarta-feira, 9 de dezembro de 2015

12. Dois casais?  – Não Existem Poesias


O dia de Camila hoje seria bem tumultuado, ela  acordara com um telefonema da agencia falando que ela posaria para uma sessão de fotos especial, para um fotografo famoso. Camila até cogitou recusar, ela tinha dado duro no dia anterior, gostaria muito de sair da cafeteria para casa e hibernar na sua cama, mas o cache era muito bom, poderia significar contas pagas no dia certo, e quem sabe uma saída no fim de semana?

Suas ultimas horas de trabalho na cafeteria foram intensos, o clima estava um pouco frio, contrastando com a parte da manhã, que estava bem quente, com isso muitas pessoas se animaram para tomar um café, isso não era ruim, quanto mais clientes, mais gorjetas, porém isto tampouco era bom, quanto mais cliente, mas tempo ela teria que ficar ali, mesmo que ela tivesse um horário, sempre que está muito cheio o horário de saída é ultrapassado.
_ Me dê 50, que eu te cubro. - diz a colega de trabalho de Camilla.
_ Passo. - responde. Se ela saísse um pouco mais tarde era só apertar o passo, para tentar não se atrasar tanto.
_ Você pode sair agora e eu te cubro. - insistiu. Camila deu uma rápida olhada no relógio, se ela saísse agora seriam no mínimo vinte minutos de bônus, o que poderiam lhe ser valiosos.
_ Ainda por 50? - perguntou interessada, apesar de achar caro, pois ela não só  ganharia 50 dólares por 20 minutos de trabalho, como ainda ficaria com as gorjetas de Camila.
_ Sim, e eu ainda bato seu ponto no final do expediente.
_ só não te digo obrigado, porque estou pagando caro por isso.
_ Sem problemas. Eu digo de nada mesmo assim. - Camila sorri olhando para a colega.  _ Sorte lá viu? Vê se arrasa.

Camila apressou-se para o lado de fora, e uma rajada de vento frio a recebeu com tudo. Camila cruzou os braços, tentando se proteger do frio e seguiu caminhando até o ponto de ônibus.
Seus vinte minutos de bônus quase desapareceram, o ônibus não só custou para passar, como também  parou praticamente em todos os pontos e sinais de transito do caminho. Era como se o destino estivesse brincando com ela, no mesmo momento que a ajudava, a atrapalhava. 


Assim que chegou ao lugar das fotos, Camila suspirou aliviada, chegara a tempo.
A sessão de fotos seria feita em um prédio antigo da cidade, mesmo sendo antigo, o lugar era conservado e bonito. Quando entrou, já foi recebida por uma moça que se dizia da equipe da sessão de fotos de hoje, ela foi educada e levou Camila até o segundo andar. O segundo andar era um lugar amplo, porém estava cheio arraras abarrotadas com roupas, havia muitas pessoas, andando de um lado para o outro, parecia mais um desfile do que uma sessão de foto.
_ Uau.- ela escutou alguém dizer atrás de si. Ou virar-se vê que se trata de Sam.
_ Sam? – diz surpresa. _ Você... O que você faz aqui? É fotografo agora?
_ Não, longe disto, continuo achando que um lápis na mão faz belezas maiores do que uma maquina com flash. – responde. _ Mas estou em um grande projeto que envolve modelos, então meu amigo fotografo me deixou invadir a sessão dele.
_ E qual seria o projeto?
_ Um estilista quer apresentar a obra dele em ilustrações ao invés de fotos, porém, ele quer modelos reais, e é para isso que estou aqui, quero ver como essas sessões funcionam, o que eu posso levar para as folhas, como eu devo abordar as modelos...
_Parece bem legal. – disse realmente empolgada. _ E o que você achou?
_ Confuso. – admitiu. _ Barulhento... Legal. – Camila riu. _ mas acho que vai ficar bem melhor agora... – disse sugestivo. Camila sorri, se animando para se aproximar mais dele.
_ Sabe, desde o primeiro dia que te vi no café eu te achei interessante. - parou antes que falasse mais do que deveria.
_ Interessante?  - ficou curioso.
_ É.
_ E porque?
_Bom, você é bonito e...
_ E...?
_ Seu pé é grande. - agora já tinha ido, Camila já tinha falado demais, agora era esperar que ele não se assustasse.
A princípio ambos ficaram se olhando sem reação. Camila pois sabia que tinha falado muito e que poderia ter desperdiçado um ótimo pretende. Já Sam estava tentando entender o que tinha acabado de escutar, era uma brincadeira? Era sério?
Por via das dúvidas Sam começou a rir descontroladamente, podia até ser sério, mas ainda assim era engraçado, ele não sabia que mulheres reparavam no tamanho do pé dos homens e muito menos que teriam coragem de assusmir algo assim, Camila, aliviada, entrou na risada também, mais não estava sendo muito sincera, afinal, ele estava rindo do que ela tinha falado ou dela?
_ Bom saber. - falou ele,  após parar sua crise de riso.
_ Bom saber o que?
_ Que você me achou interessante. - disse, deixando Camila com uma pulga atrás da orelha.   _ Acho que seria bom você ir se aprontar,  sua sessão já vai comecar. - disse sorrindo e saindo, deixando Camila sem entender nada.




_ Sabe... – começou Demi, sem saber se deveria. _ Eu gostei. – admitiu. _ Fiquei um pouco brava, mas eu gostei.
_ Jura? – Joe abriu um sorriso. Ele não se lembrava do que havia acontecido, mas pelo menos não tinha a decepcionado, mas... _ Espere.  Brava? – perguntou confuso, se ela havia gostado da noite que eles tiveram  juntos, porque então ela havia ficado brava?
_ É. – disse tímida. _ Eu sei que é  um pouco idiota, mas, sei lá, eu estava bem empolgada e você apagou do nada...
_ Eu... Apaguei?... – Joe estava bem confuso e isso se via pela sua expressão.
_ Apago... – interrompeu-se no meio da palavra. Suspirou. Ah Demetria, como você é burra!_ Você não se lembra de nada, não é?
_ Eu me lembro... Bom, me lembro de partes... Na verdade tem belo de um “buraco” na minha memoria, só que eu pensei que era por causa da bebida e não porque eu... Apaguei.
_ Joe, você estava achando que... Que nós dois...
_ Sim... – admitiu.
_ Então toda esta conversa?... – Joe sorriu, tinha como uma noticia dessas ser tão boa? Não tinha acontecido nada, bom, tinha acontecido algo, mas não era nada do que ele imaginava, até mesmo a enxaqueca de Joe diminuiu.
_ Acho que seria bom se recomeçássemos. – Demi riu.
_ Então. – começou sorrindo, sentando-se na cama, ao lado de Joe. _ sobre ontem, você se arrependeu?
_ Um pouco. – respondeu e Demi levou um susto.
_ Que?! – Joe riu.
_ Eu não deveria ter apagado. – explicou-se com um sorriso no rosto. Demi respirou aliviada.
_ Você tem que se lembrar de que ainda não estou acostumada com o Joe piadista.
_ Bom, não te julgo. – riu.
_ Mas agora, sério, você se lembra do que falou para mim?
_ Acredito que sim.
_ E?
_ Disso eu não me arrependo. – Demi sorriu.
_ E disso? – perguntou e já avançou para lhe dar um beijo. Joe, claramente, não se esquivou, correspondeu o beijo com afinco. E assim que separaram o beijo, já um pouco ofegantes, Joe sorriu.
_ Sabe sobre a proposta de me ajudar com meu chefe?
_ Sim.
_ Eu acho que vou precisar tirar o dia inteiro de folga, será que é possível? – perguntou sugestivo.
_ Não precisa perguntar duas vezes.

                         Continua

Ei gente, este capítulo estava para ser publicado automaticamente pelo Blogger, porém pelo jeito não foi e eu só fui perceber isso hoje, que entrei para atualizar o blog que vi. Pesso perdão e prometo fazer uma maratona em breve para compensar. Espero que gostem do capítulo e já aviso, probabilidade de Hot no próximo capitulo kk

Ps. Meu cmputador se foi, por isso estou sendo obrigada a postar pelo celular. Por isso responderei aos comentários depois, quando ressuscitarem meu note.

Um comentário: