sexta-feira, 21 de abril de 2017

Prólogo



                               Mas um ano escolar se inicia, e esse tem um quê de importância, é o último ano do Ensino Médio, é o último ano no Colégio, o último ano estudando juntos, é o último ano para decidirem qual rumo darão a suas vidas...
                               – É com grande prazer que o Colégio Émilie du Châtelet abre as portas novamente, para mais um ano de intenso aprendizado... – A diretora Ivone começa seu discurso.
                               Enquanto a diretora fala, poucos a escutam.
                                – Olhando assim nem parecem dois virgens. – Lucas zoa, e seus amigos riem. Ele se refere a Sara e a seu namorado, Ricardo, ambos se agarram no canto da quadra.
                               – Vai cuidar da sua vida. – Ricardo responde, pois agora que todos os olham, o clima quente com sua namorada foi destruído.
                               – Virjões! – Lucas fala alto, chamando atenção de mais gente. Alguns em resposta a brincadeira de Lucas, riem, outros viram os olhos, já cansado do comportamento do garoto.
                               Lucas é brincalhão, mas não do tipo que todo mundo gosta, do tipo que irrita, perturba, mexe na ferida. Participa do time de futebol da escola e graças a isso conquistou um corpo escultural, cabeço preto, pele branca, recentemente, num ato de rebeldia, colocou um alargador em sua orelha esquerda. O Colégio Émilie du Châtelet é um colégio para jovens ricos, que cuidam da aparência mais do que das suas notas, Lucas chegar usando um alargador o deixou no centro das atenções, onde ele sempre gostou de estar.
                               Ricardo fica vermelho de raiva, mas ele é pacifico e não ataca, apenas olha para a namorada, que esta claramente chateada.  
                               – Não fique assim, você sabe que ele é desse jeito. – Ricardo conforta a namorada. – O importante é estamos fazendo o certo. – Ricardo garante.
                               Ricardo é um cara bonito, alto, cabelo castanho escuro, seu olhar é penetrante, e seus olhos são verdes. Ele e seu irmão mais velho foram criados pelos seus avós, após a morte trágica de seus pais. Seus avós são ricos e conservadores. Eles os criaram com preceitos cristãos, e isso influencia muito a Ricardo, é por causa dele que ele e Sara nunca tiveram relações sexuais, mesmo já namorando há quatro anos. Sexo apenas após o casamento. Apesar disso, ele não nega uns amassos vez e outra.
                               – Não estou chateada por isso. – Sara responde.
                               – Então porque ficou assim? – Ricardo pergunta preocupado.
                               Sara é uma garota que muitos chamariam de modelo de beleza, 1,67, traços leves, pele branca, cabelo longo e loiro escuro. Também de família rica, ela sempre se acostumou a ter tudo o que quer.  Apesar de mima-la os pais pouco se fazem presentes em sua vida, mas na questão da faculdade, ambos são bem incisivos, ela seguirá o mesmo caminho que as últimas quatro gerações tomaram, fará Medicina e se tornará Medica Cirurgiã.
                               Sara olha para o namorado, ela pensa em falar o que a aflige, confessar, mas o olhar dele é tão forte, tão penetrante...
                               – Não é nada. – ela suspira. – Quero dizer... Tem a Rebecca... Ela está estranha. – Sara desenrola. – Estou preocupada com ela.
                               – Você a viu nessas férias, não a viu? – Ricardo pergunta.
                               – Sim. – Sara responde. – Mas... É como eu disse... Ela ficou estranha do nada. – Sara não mente. Ela conhece Rebecca desde pequena, as duas são melhores amigas desde sempre, as duas sempre foram confidentes uma da outra, mas isso mudou nessas férias de verão.
                               – Tente conversar com ela hoje. – Ricardo incentiva.
                               – Falar é fácil. Eu aposto que você não conversará com o Rafael se eu pedir.
                               – Rafael é diferente, eu sou amigo dele... Quero dizer, eu era amigo dele, mas não muito amigo; você é Rebecca são amigas desde quando vocês ainda engatinhavam.
                               – Ainda acho que você deveria falar com ele.
                               – Foi ele que se afastou. – Ricardo dá de ombros.
                               – Vocês dois fazem parte do time, vocês tem que ser amigos. – Sara insiste.
                               – Lucas também faz parte do time, você quer que eu vire amigo dele também? – Ricardo pergunta, acabando com o argumento da namorada.  
                               – Eu só acho que valeria a pena insistir... Talvez por mim? – ela faz graça e Ricardo faz uma careta.
                               – Sara... Eu já tenho outras preocupações...
                               – Como? – ela pede um exemplo.
                               – Meu irmão. – Ricardo responde.
                               – Como assim seu irmão? – Sara pergunta assustada e Ricardo estranha, mas não comenta.
                               – Ele desapareceu, estamos todos preocupados. – Ricardo responde.
                               – Seu irmão é um louco... – ela ri. – Ele logo deve voltar. – da de ombros.
                                Ricardo franze a testa à namorada.
                               – O que foi? – ela pergunta.
                               – Ele é meu irmão, Sara. – ele fala um pouco decepcionado. – Minha família. – Sara olha para o chão, arrependida.
                               – Você se importa com ele, não é?
                               – Claro que sim. – Ricardo não pestaneja em responder. – Ele é meu irmão e eu o amo. – Sara fica sem saber o que dizer. – Eu também amo você. – Ricardo toca o queixo da namorada, fazendo com que ela o olhe, para ele isso é um gesto de carinho, mas nesse exato momento, para Sara, esse é um gesto de tortura. – Eu a amo e também amo a ele. Ele sempre será meu irmão, e você é minha noiva, minha futura mulher. – Sara sorri fraco.
                               – Me desculpe. – ela pede e Ricardo, em resposta, a abraça forte.
                               Aplausos começam a ecoar na quadra. A diretora acabou seu discurso.
                               Agora é oficial.
                               Um novo ano começou.


Continua

Olá gente, estamos de volta, agora com uma nova história, na qual espero que vocês gostem.

Comentem o que acharam ;)

Nenhum comentário:

Postar um comentário