domingo, 29 de junho de 2014

5. Em busca de um assassino – The Big Apple



Cheguei a minha casa e fui recebido pela minha querida – e curiosa – irmã menor.
                _ Onde você estava? – perguntou.
                _ Não era em casa, como pode ver. – respondi tirando o casaco e o jogando de qualquer jeito no pequeno armário logo na entrada da casa.
                _ Sair de casa tão cedo, deve ter sido uma pessoa, digo, uma mulher de muito poder, se é que me entende. – falou sapeca.               
                _ Na verdade eu não entendo. E você não deveria pensar coisas assim, você ainda é uma criança.
                _ Criança Joe? Sério isso? Eu não sou mais criança.
                _ Selena você sempre será um criança.
                _ Uma criança que já beija na boca e que já...
                _ Me poupe das porcarias que você faz com aquele brutamonte. – interrompi-a antes que me arrepende-se do que vinha depois. Sai para meu quarto, mas pude ouvir seus passos apressados atrás de mim.
                _ Então você não quer saber sobre a última novidade? – perguntou, parei onde estava e olhei-a. Que não seja casamento, que não seja casamento, minha pequena não pode casar com aquele merda.
                _ Nos separamos. – se isso for sonho não me acorde. _ Pode comemorar. Você sempre quis isso mesmo. – falou, ela não parecia realmente triste, mas podia sentir que ela não estava totalmente bem.
                _ É claro que isso merece uma comemoração. Jantaremos chinesa hoje e por minha conta. – sorri. Ela virou os olhos. _ Porque vocês se separaram? – perguntei.
                _ Talvez Deus tenha escutado suas orações?
                _ Bom, em alguma vez isso tinha que acontecer, não é? – respondi, Selena suspirou e deu um sorriso falso. _ Mas serio. O que foi que aconteceu? – falei me aproximando dela, dando um abraço de lado e guiando-a a meu quarto, ela começou a me acompanhar sem hesitar.
                _ Ele esta me proibindo de tentar seguir carreira de modelo.
                _ E por acaso alguém está te apoiando? – perguntei sincero, ninguém da família queria que ela fosse modelo, só uns amigos dela, tão sonhadores e inocentes quando ela, que achavam isso uma boa ideia.
                _ Não, mais eu não vou ficar com alguém que ameaça se separar ou me prender dentro de casa se eu tentar seguir em frente.
                _ Prender dentro de casa? – não há como negar, era uma ótima ideia.
                _ Cala a boca Joe. – ela de deu um leve tapa na barriga. _ E eu não sei qual é problema de vocês... – resmungou, assim como sempre fazia quando era esse o assunto.
                _ Eu não quero que você viva de água e drogas, vomitando o que não tem na barriga, só para tirar meia dúzia de fotos.
                _ Joe, eu não tenho problemas alimentares nem com drogas, e nem vou ter, você podia confiar um pouco em mim. – saiu do abraço e parou na minha frente, bem diante a porta do meu quarto, cruzou os braços e ficou séria.
                _ Selena, da última vez que te levamos a uma agencia, o cara falou que você tinha que emagrecer, você ficou louca fazendo umas dietas estranhas sendo que você já é magra.
                _ Eu tinha 14 anos Joe, eu era influenciável. – justificou-se.      
                _ E se o agente falar a mesma coisa? Eu sei que você vai fazer a mesma palhaçada.
                _ Eu sei os limites do meu corpo agora. Joe isso foi há cinco anos.
                _ Isso foi há cinco anos.
                _ A maioria das modelos de sucesso, na minha idade, já estava com carreiras internacionais – disse sem esconder a frustração.
                _ Mais um motivo para você desistir. – ela não respondeu, apenas colocou uma carrancuda na cara, se virou pro quarto dela – que fica bem ao lado do meu – e entrou batendo a porta com toda a força.
                Eu odiava isso, eu não queria ser o vilão da história, Selena é minha pequena, minha irmã mais nova, e eu, pelo menos por agora, tenho uma boa relação com ela, parece até injusto destruir isso por uma bobagem. Tudo bem que tiveram tempos em que eu não gostava dela, quando descobri que eu iria ter uma irmã e não um irmão foi uma loucura, eu não queria uma menina eu queria um menino, e quando ela nasceu fiz questão de não ajudar em nada, e ainda reclamar, hoje tenho pena dos meus pais, deve ter sido complicado me aguentar naquela época, mas desde que meu pai ficou doente eu me senti na responsabilidade de me aproximar dela, e mesmo agora que ele está curado eu ainda faço da minha missão protege-la. Ela tem tudo para ser modelo, ela é bonita e esse é seu sonho, mas deixa-la sucumbir em um mundo em que a imagem vendida é quase impossível, em que mulheres e até mesmo homens se tornam doentes no objetivo de chegar ao corpo perfeito, até que morrem sem conquista-los, pode parecer paranoia da minha parte, afinal de contas, nem todas as modelos são doentes ou morrem de anorexia ou bulimia, mas o índice é alto de mais para ser ignorado ou subestimado.
                _ Brigou com Selena novamente? – perguntou minha mãe, virei-me e vi-a com um cesto de roupas.
                _ Ela e a ideia de ser modelo novamente. Sempre acaba assim. – dei de ombros.
                _ Tenha mais paciência Joe, não é fácil para ela. – falou compreensiva.
                _ Eu sei, mas o que eu posso fazer?
                _ Deixe-a sonhar um pouco, sonhar nunca fez mal. – falou.
                _ Já está na hora de pô-la o pé no chão. – minha mãe riu, ela também não queria que Selena fosse modelo, mas de todos era a mais compreensiva, não queria, mas aceitava e se por acaso Selena pedisse ajuda, provavelmente ajudaria, mesmo contra sua própria vontade. Minha mãe, Denise, sempre foi assim, ela sempre mimou a mim e a Selena desde que cumpríssemos regras simples, nós teríamos tudo o que quiséssemos.
                _ E está na hora de você aprender a por sua roupa suja no cesto. Eu não vou ficar procurando por elas no seu quarto, vai saber o que posso encontrar.
                 _ Câmeras, muitas câmeras. – falei. Ela riu e fez uma cara de desconfiada.
                _ Leve suas roupas para a lavanderia enquanto eu estiver lá, se por acaso quiser elas limpas.
                _ Não precisa ficar com medo de entrar mãe.
                _ Se não levar você mesmo vai lavar. – falou saindo e ignorando a minha tentativa de fazê-la pegar as roupas e poupar-me do trabalho. Não acho que minha mãe seja empregada, mas eu sempre fui meio preguiçoso em tarefas de casa e quanto menos eu fazer, melhor para mim.

                O dia passou bem pacato, passei boa parte da minha tarde no meu quarto jogando videogame, eu sempre fui aqueles nerds que jogam o dia inteiro, não sou bom em matemática e nunca fiz uma faculdade, mas me mande jogar qualquer jogo que eu arraso.  Porém, hoje, eu não estava indo bem, eu só pensava na conversa que tive mais cedo, com Demetria Lovato, filha do falecido Eddie Lovato. Lovatos, atuais donos do Banco WNNLive, o banco do qual eu acumulo ódio e gratidão ao mesmo tempo.
                 Meu pai passou sua vida inteira trabalhando no WNNLive, nunca teve grandes oportunidades, passou sua vida inteira trabalhando quase como um escravo, o salário era pouco, mas o trabalho era muito, quantas vezes meu pai chegou cansado e com papeis de baixo do braço, ele podia não estar mais lá, mas ainda tinha muito trabalho a fazer... Motivos para que Eddie tenha sido assassinado por um empregado insatisfeito é grande, esse pouco caso com os funcionários do banco é histórico, mas todos aceitam tal humilhação na esperança de ser um próximo Eddie, todos ainda acreditam que se esforçassem um pouco mais ainda seriam donos do banco, seriam ricos. E foi nessa ganancia que meu pai adoeceu e foi parar no hospital, e foi justo nesse momento, em que eu me tornei um dos vários haters do Banco WNNLive, que eles se mostraram não serem tão ruins, assim que souberam da doença do meu pai, pagaram um plano de saúde para ele, não tenho duvidas de que sem esse plano de saúde meu pai não estaria vivo hoje, o contrato do meu pai não incluía auxilio doença, eles poderiam ter simplesmente deixa-lo morrer. Para mim foi como um “Hey, nós ferramos sua vida, então vamos tentar ajudar agora para não ficarmos como os caras ruins”.
                O que eu deveria levar em conta?
                Eles destruindo meu pai ou eles salvando o meu pai?

                Desliguei o videogame e abri o notebook, comecei a pesquisar sobre o Banco WNNLive, sobre Eddie e sobre sua família e após ler todas os artigos que pude encontrar, percebi que talvez Demetria não estivesse tão enganada, se apenas com uma pesquisa na internet eu achei 12 pessoas que teriam motivos de sobra para querer matar Eddie, o que mais poderia estar escondido entre os próprios familiares e no banco? Quantos inimigos a mais Eddie poderia ter cultivado? Até onde os inimigos dele chegariam?
                Pensei em como investigar isso mudaria minha vida, eu não estou com nenhuma investigação por agora, a última ligação que recebi tinha sido há duas semanas, um serviço pequeno e com remuneração baixa, Demetria seria a chave para que eu me tornasse um detetive renomado, eu me tornaria o detetive dos milionários.
                Peguei meu celular e enviei uma mensagem para Demi:
                               “Começaremos a investigar amanhã, nos encontramos no mesmo lugar amanhã as onze?”
                Não demorou muito para que recebesse uma resposta:            
                               “Combinado, amanhã as onze.”
                É isso, eu acabara de entrar em um desafio, amanhã sairei em busca de um assassino.

Continua

Capítulo postado, espero que gostem, como perceberam nesse capítulo tivemos a visão de Joe e não a de Demi como nos ouros capítulos, e já aviso que vai ter muito disso nesta fic, as vezes a história será contada por Demi, as vezes por Joe, talvez até por Selena e por Nick, já que eles também terão papel de destaque nesta fic.
Não se esqueçam de comentar/avaliar.
Bjsssss

Giovanna: Muito obrigada pelos elogios, espero sempre poder fazê-los jus, fico muito feliz que tenha gostado do encontro e espero que tenha gostado deste capítulo também, obrigada por comentar. Bjssss
Kika: Que linda sua tatuagem, eu também tenho uma no pulso, só que não é Stay Strong, é um clave de sol (não é aquela que esta no instagram, aquela é de caneta kkk, mas é igual aquela) bom, espero que tenha gostado deste capítulo, muito obrigada por comentar. Bjsss
Carine: kkkkk pode ser, vai saber? Mas você vai ver que ainda tem muitos suspeitos, faça sua aposta, espero que tenha gostado do capítulo, muito obrigada por comentar. Bjsss
Fabiola: Você não é a única que está suspeitando dela, mas ainda tem muita história pela frente, pode ser que você mude ou não de ideia, kkkkkk vejo que tu é apaixonada pelo Joe, espero que tenha gostado deste capítulo, muito obrigada por comentar. Bjssss

4 comentários:

  1. Amei demais *.*
    Obrigada, se a tua tatuagem está como aquela também tá linda +.+
    Não tens que agradecer por eu comentar, sério, não tens mesmo, mas de nada :)
    Posta logo
    Beijos

    ResponderExcluir
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  3. Joe meu amor meu lindo maravilhoso gostosooooo *O* Sou completamente apaixonada pelo Joe!
    Eu simplesmente amei o capítulo! Ele implica demais com a Seles tadinha dela!!! Ficou P-E-R-F-E-I-T-O esse capítulo!! Amei, amei muitoooo :)
    Não gosto dela, acho que ela ta envolvida (ou não) agr você me confundiu não gostei disso! klsdjgdskfgd
    Posta mais por favor !
    Beijoos ♥

    ResponderExcluir