quinta-feira, 20 de setembro de 2012

22º CAPITULO “Quanto meu amor por você” - Recomeçar


_ Joe, por favor. – o puxei pelo braço. _ Pare um pouco, só me escute.
Ele parou e me olhou desanimado, estava na cara que ele não queria me escutar, mesmo assim comecei a explicar.
_ Eu não posso separar do Travis porque ele está me ameaçando. – falei. Joe riu como se não acreditasse. _ Eu estou falando serio – falei desesperada.
_ Porque ele está te ameaçando? – perguntou, parecia estar começando a me levar a serio.
_ Você conhece o Travis, sabe o que acontece nas festas em que ele faz, eu fui fraca e me deixei levar, e agora ele esta ameaçando contar tudo para minha mãe, por isso eu não posso me separar dele. – resumi, não queria dar muitos detalhes a ele.
_ Você...
_É Joe, eu fiz besteira. – Ele me olhava sem falar nada, parecia ao mesmo tempo estar chocado e com pena de mim, seu rosto já não demonstrava raiva como na minha chegada.
_ Porque você não me falou antes? – perguntou calmo.
_ Não esta sendo tão fácil para mim, eu sinto vergonha do que fiz, não quero que todos fiquem sabendo disso. – respondi.
_ Eu poderia te ajudar. – falou ele. Fiquei em silencio, olhando para o chão, não tinha coragem de olha-lo. Ele se aproximou e me deu um abraço forte, não para machucar, era um abraço que dava segurança, em seus braços era o meu porto seguro. _ Por favor, me desculpe. Eu juro que isso não se repetirá, eu juro que sempre irei confiar em você. – falou ele, eu estava chateada pelo fato dele não ter acreditado em mim, mas ele não sabia o que estava acontecendo e isso abriu espaço para que acontecesse um engano, fora que eu o amo não conseguiria ficar sem ele.
_ Não precisa pedir desculpas. Eu te amo. – falei. _ E muito.
_ Eu te amo mais. – falou e deu um beijo no topo da minha cabeça, ainda estávamos abraçados _ Você vai precisar da minha ajudar? – perguntou.
_ A Dallas me deu uma ideia, acho que não precisarei lhe envolver nisso. – respondi.
_ Tudo bem, mas você sabe que se precisar eu estarei aqui não é? – perguntou. Apenas fiz que “sim” com a cabeça. _ Promete que não vai mais esconder nada de mim? Não tenha vergonha de me dizer o que lhe acontece.
_ Prometo. – falei mesmo sabendo que não iria cumprir isso, há muitas coisas sobre mim que ele ainda não sabe e eu não tenho a intenção de conta-lo, não agora. Ficamos no abraço em silencio por mais um tempo, apenas juntos, curtindo um ao outro.
                                                                              (...)
E assim a semana foi passando, Travis parecia confiar cada dia mais em mim e ao mesmo tempo me mostrava o quão violento e frio ele podia ser, eu e Joe estávamos cada dia mais apaixonados e estava ficando difícil de esconder, muitos já desconfiavam da nossa proximidade, eu precisava resolver tudo com Travis o mais rápido possível para poder assumir meu namoro com Joe antes que as coisas começassem a sair do controle.
Travis me havia convidado para mais uma das suas festas na sua casa, seria no sábado, eu iria logo depois da minha apresentação no bar, eu sei dos riscos que correria ao ir, sei que poderia mais uma vez acabar sendo influenciada por todos, mas se eu fosse eu conseguiria mais provas contra ele e juntando com tudo o que eu já tinha filmado e fotografado, eu teria material o suficiente para incrimina-lo. Mas para isso eu ir precisar da ajuda do Joe, minha mão nunca chegou a falar com o Travis, mas ela não gostava dele, o que não se é de surpreender, ela jamais me deixaria ir a uma festa que ele desce novamente, Dallas até poderia me ajudar, mas sei que ela ficaria muito preocupada comigo e acabaria deixando minha mãe perceber, Joe com certeza não ficaria nem um pouco feliz com essa historia, mas sei que ajudaria, já que ele quer que eu saia dessa tanto quanto eu.

_ Vocês vão acabar enjoando da minha voz – falei, assim que sai do palco, minha mãe, Dallas, Maddie e Joe estavam lá para ver minha apresentação.
_ Nunca. – disse Joe prontamente.
_ Nunca mesmo, você tem uma voz linda é sempre bom vir aqui e ver que todos também concordam com isso. – falou minha mãe orgulhosa. _ Agradeço muito a você – falou ela apontando para Joe. _ por ter dado essa oportunidade a minha filha. – ele apenas sorriu em resposta.

Hoje eu tinha decidido não levar os instrumentos para casa novamente, no domingo eu iria me apresentar novamente e o restaurante é seguro não precisava eu ficar tão preocupada com isso. Já estamos indo embora, minha mãe, Maddie e Dallas andavam na frente em direção do carro, eu e Joe estamos atrás, estávamos de mãos dadas. Todos nos andávamos calmamente, sem pressa.
_ Joe, eu vou precisar de uma ajudinha sua. – falei baixo para minha mãe não escutar.
_ Qualquer coisa. – respondeu prontamente.
_ Eu preciso que você fale para minha mãe que vamos sair.
_ Tudo bem – respondeu animado. _ Quando?
_ Agora, preciso que você invente que vamos sair para um lugar agora. – respondi, vi a expressão de confusão em sua face.
_ Nos vamos para um lugar agora? – perguntou.
_ Nós não, mas eu preciso ir a um lugar. – respondi sem jeito.
_ O que você anda aprontando Demi? – perguntou. Não respondi nada. _ Para onde você está pensando que vai?
_ Eu preciso ir à casa do Travis – respondi.
_ Demi...
_ Eu sei, mas depois disso eu tenho certeza que vamos estar livres. – falei. Ele fez uma cara feia, mostrando que não estava nem um pouco feliz com a situação.
_ Tudo bem.

Todos se acomodaram dentro do carro. Minha mãe e Joe conversavam o tempo todo sobre assuntos aleatórios, Joe era uma pessoa extremamente sociável, ele conseguia conversar com pessoas de todas as idades e gostos, ele e minha mãe se combinavam muito, ela, com certeza, ficará muito feliz ao descobrir que estamos juntos.
_ Dianna, você se importaria se eu levasse a Demi para outro lugar hoje? – perguntou Joe por fim.
_ Para onde? – perguntou minha mãe desconfiada.
_ É surpresa. – respondeu ele.
_ Joe...
_ Vamos sair como bons amigos que somos mãe. – falei por fim, Joe estava se esforçando com essa mentira, não poderia deixa-lo sozinho nessa.
_ Amigos?! – perguntou ela.
_ É mãe, amigos. – falei, minha mãe já desconfiava que não era só amizade, mas enquanto eu não resolvesse tudo eu continuaria sem admitir.
_ Voltem antes das uma da manhã. – falou ela.
_ Pode deixar. Voltaremos antes das uma. – falou Joe.

Joe deixou minha mãe, Dallas e a Maddie em casa; continuei no carro, e ele me levou a casa de Travis.
_ Tem certeza que quer ir lá? – perguntou ele.
_ Sim, eu juro que será a ultima vez.
_ E se alguma coisa der errado?
_ Não vai dar nada de errado Joe.
_ Se eles começarem a tentar te influenciar para alguma coisa, sai de lá, eu vou ficar estacionado na porta. – falou ele, ele estava realmente preocupado, e não tentou esconder.
_ Fica tranquilo, não vai acontecer nada. – falei, ele parou o carro, já estávamos na frente da casa do Travis. Antes que eu saísse do carro, Joe pegou em minha mão.
_ Eu te amo. – falou olhando em meus olhos.
_ Eu te amo mais. – falei e me aproximei dele, dando-lhe um selinho. _ Espero sair daqui podendo nos assumir.
_ Estou torcendo por isso. – falou ele, demos mais um selinho. _ Meia noite e meia, você tendo terminado ou não eu te pego. – falou.
_ Tudo bem. – respondi. Já era 23:15, não teria tanto tempo, mas sei que eu chegaria na festa na hora mais importante para conseguir provas contra ele, nesse momento todos lá dentro já deveriam estar se drogando. Sai do carro, sobre o olhar atento de Joe, ele estava preocupado de eu cair em tentação novamente, mas eu estava decidida a fazer tudo certo desta vez. Bati na porta, dava para escutar o barulho do som ligado do lado de fora da casa, provavelmente não iria me escutar, me atrevi a abrir a porta e ela estava destrancada, olhei para trás e vi que Joe ainda me observava, ele deu um breve sorriso, como se tentasse disfarçar o nervosismo, correspondi e logo depois entrei.
Assim como da primeira vez, a casa estava uma completa zona, parecia ter mais pessoas que a ultima vez, o que era de se esperar já que hoje é sábado e todos estavam afim de curtir o final de semana. Como eu esperava muitos já estavam caídos de tão bêbados e alguns já se drogavam, fui entrando na casa a procura de Travis ou Taylor, enquanto isso peguei a maquina fotográfica, comecei a tirar foto de tudo, até que achei Taylor, ele estava sentado na escada, junto a Drew e outros dois garotos na qual não reconheci, todos eles já estavam alucinados pelo efeito da droga, só de pensar que eu também estive naquela situação meu estomago embrulhou, era triste os ver daquele jeito. Continuei andando pela casa e de repente alguém me segura por trás e começa a me dar beijo nos pescoço, de primeira me assustei e tentei sair mas ele era mais forte, logo percebi que se tratava de Travis, ele me empurrou, não brutamente, mas não deixou de ser um empurrão, contra a parede e me virou para frente para que ficássemos olhando um para o outro.
_ Você me assustou. – falei.
 _ Desculpa. – falou, seu bafo de cerveja era forte.
_ Da para você me soltar? – perguntei já sem paciência, não estava gostando nada da nossa proximidade.
_ Não. – respondeu, e novamente começou a me beijar, quanto mais eu tentava me esquivar, mas forte ele me segurava.
_ Travis, por favor, me solta. – pedi novamente. Ele parecia fingir que não escutava, começou a passar sua mão pelo meu corpo, agora ele já estava indo longe demais, comecei a me desesperar, e me debati com todas as minhas forças, poderia até não conseguir me separar dele, mas sei que pelo menos dificultaria para ele.
_ Calma ai. – falou ele parando de me acariciar e olhando para mim.
_ Por favor, estou te pedindo, me solta. – falei tentando parecer o mais calma possível, com Travis não adianta desesperar, acaba sendo pior.
_ Porque eu te soltaria?
_ O que nós temos não é verdadeiro, não faz sentido você ficar me agarrando deste jeito. Eu quero não isso. – respondi.
_ Você não quer, mas eu quero. – falou ele e logo depois voltou a me agarrar.
_ Se eu fosse você, não continuaria. – falei. Ele começou a rir. Não sei se era hora nem lugar para contra ataca-lo, mas foi minha única alternativa ou as coisas poderiam ficar piores.
_ Do que você está falando? – ele parecia se divertir com tudo aquilo.
_ Eu tenho provas que você o Taylor e Drew vendem e consumem drogas na escola e de todas as vezes que vocês bateram em alguém, se elas caírem nas mãos dos seus pais ou do diretor...
_ Você também está metida nisso, esqueceu? – falou ele, agora ele estava serio.
_ Você tem provas? – perguntei. Ele ficou calado.
_ Você sabe o que eu faço com pessoas que se colocam contra mim, não sabe? – perguntou ele.
_ Faça algo contra mim e contra alguém que eu gosto e eu não hesitarei em mostrar as provas para o mundo. – falei. Dava para ver o pânico na face dele, e eu também estava assustada comigo mesmo, eu nunca enfrentei ninguém, o Travis era perigoso, eu falar daquela maneira com ele era cometer suicídio. Travis ainda me segurava contra a parede, mas já não me tocava.
_ Você não amor à vida não garota?
_ Se eu morrer outro mostrará o que tenho para te incriminar. – falei fingindo que não estava com medo de suas palavras
_ O que você está querendo? – perguntou ele, depois de um tempo em silencio, me soltando.
_ Liberdade, eu não quero ter que ficar fingindo que estou com você e nem ficar te ajudando a esconder as drogas na escola, isso sem que aquelas fotos caiam nas mãos da minha mãe. – respondi.
_ Eu quero ver as provas que você tem. – falou ele.
_ Amanhã, passe na minha casa e eu lhe mostrarei. – As provas estavam na maquina em minhas mãos, mas eu não tinha uma copia e ele poderia tentar estragar tudo, e se isso acontecesse eu estaria completamente ferrada. Travis me olhava com uma cara de ódio, comecei a me arrepender de tê-lo enfrentado. Ele se afastou um pouco mais.
_ Depois do almoço eu passo lá. – falou ele. _ Pode ser idiota da minha parte, mas é melhor você não estar brincando com a minha cara garota, se não eu acabo com a sua raça. – falou ele nervoso, e saiu. Eu estava com medo, Travis era imprevisível e nessa ultima semana ele tinha me provado que também poderia ser muito perigoso, eu não estava mexendo com pessoas fracas, se algo desce errado, seria o meu fim. Aos poucos fui me acalmando e como já não tinha mais nada a fazer ali, decidir ir embora, me encaminhei para a porta, até que alguém me para.
_ Demi, não tinha te visto ai. – falou Taylor, mal conseguia se manter em pé sozinho.
_ É.
_ Então... Quer? – falou me mostrando a droga.
_ Não. Eu já estou indo embora. – respondi.
_ Ah qual é Demi, eu sei que você gostou. – insistiu ele. Não podia negar, na hora a sensação foi boa, mas depois o arrependimento era maior.
_ Eu tenho que ir.
_ Só um pouquinho, não faz mal, aproveita que para você é de graça – falou ele. Eu não podia ser fraca novamente, tentei me desviar dele.
_ Tudo bem, vai embora mesmo, eu sei que um dia você vai sentir falta. – falou ele. Fingi que não escutei e fui embora. Joe ainda estava com o carro estacionado na frente da porta, fui me aproximando do carro, ele parecia estar totalmente distraído. Assim que eu cheguei à porta do carro, ele parou para me olhar, logo um sorriso brotou em sua face, aquele sorriso tirou-me de toda a tensão que eu estava. Era o poder que o Joe tinha sobre mim. Entrei no carro.
_ Viu, fui rápido e tudo deu certo. – falei assim que me sentei.
_ Para mim pareceu horas... Mas então, estamos livres? – perguntou.
_ Quase. – ele fez uma cara triste. _ Clama, em breve estaremos livres.
_ Dessa vez é certo?
_ Claro! Tão certo quanto meu amor por você.

Estou completamente envergonhada pelo tempo que fiquei sem postar, mas juntando as provas + falta de criatividade + meu recente vicio no twitter ficou difícil de escrever alguma coisa, prometo não ficar esse tempo todo sem postar mais. Mais um capítulo postado, espero que gostem.
Bjsssss. 

Diana (DSP): Eu ia excluir porque como eu não estou tendo muito tempo agora lá esta ficando um pouco abandonado, mas já que esta dando este problema eu vou manter a pagina. Curti lá a sua pagina. 
Uma Lovatic e NINA: Muito obrigada por sempre estarem comentando. P.S.: vocês também escrevem alguma fic ou tem algo que precise que se curta ou siga? Se tiver mande o link que eu curto/sigo/leio J
Adrielly: Fui em seu blog e li o “introducing me”, fico feliz que agora você esteja bem. Lá tem escrito que assim que você conseguisse mais seguidores, você começaria a postar algumas historias, mas eu não achei nenhum lugar lá para poder te seguir, existe outro blog? Algum link? Se puder comentar me passando essa informação agradeceria.


2 comentários:

  1. cap perfect...

    espero q tudo dê certo para jemi agora...hehehehe

    amore, eu não tenho blog nem nada, tenho esse perfil para ler fics de vcs, pois vcs escrevem super bem

    bjo bjo e posta logo

    ResponderExcluir